5 de outubro de 2012

chega de gozarmos através dos outros.

gozemos por nós mesmos.

em nossas vidas.

em nossas lidas.


10 de julho de 2012

meus ouvidos foram prostitutas por muito tempo

na minha vida.




não mais.




17 de junho de 2012

já vi tuas faces.
agora vejo a minha.
e hei de me apaixono por mim!...

doce surpresa, doce meta.

as verdades são tantas e tão organicamente eternas, que o melhor que faço é mergulhar na minha essência, essa coisa que dizem que nos acompanha vida afora.

com todas as forças que possa  lutarei pela vida sem codependência de nada nem de ninguém, de nada virtual ou concreto. 

sonhar parcerias.
somas de energia.
projetos emocionais positivos.
não relações over doentes. over dementes. over latentes.

não.

xô zebu. xô egum. xô sangue suga. xô encosto humano. xô gente que não suga sangue, mas suga toda energia...

serei eu.

sem egoísmo. com lirismo.

e buscarei meu amor. por aí perdido, na selva de pedras.
para nossa soma de forças, ideias e alegrias.

mergulharei online em mim mesma.
para lá ou para cá, aqui ou acolá.
serei um bom radar, e darei o meu melhor.
ainda que seja pouco. ainda que seja torta.
ainda que seja rara, estranha e sofra para ser quem sou.


ouvirei tudo e todos.
tudo que é autêntico.
todas que me cantarem os cantos das sereias.

serei meu melhor guia. 
e assim chegarei ao elo perdido, à família perdida, àquela que escolhemos, à dedo, na batalha fenomenal da vida.

te procuro, meu amor!
sem pressa.


(...mas, se me sentires passar, dá um sinal qualquer de fumaça?)


20 de maio de 2012

fundamentalismo fede
apodrece
emburrece
limita
enlouquece - não o louco, que se sabe louco; mas o pseudo-sábio, que se pensa firme porque já não se questiona há décadas

fundamentalismos são a morte 
o suicídio mental
zero sinapses
ismos
ismos 
ismos

enfiem tudo de volta de onde saiu
em suas cabeças de merda

fundamentalismo mata tudo
começando pelo corpo que o carrega

como qualquer doença que cega
esse doente que não vê - são as piores doenças da alma

fundamentalismo pega
e como espalha rápido
feito câncer
feito epidemia
feito hitler
feito coréia do norte, feito demência a luz do dia cronificada, estabilizada, normalizada.

o fundamental é a diversidade

a humanidade pode desaparecer sem ter vivido
o fundamental

a não ser que a tecnologia humana, emocional, 
revolucione a tecnologia capitalista e binária.

o mundo está a beira do irracional.


25 de março de 2012

pré conceito




todos estavam ali, revoltados com aquele.
aquele não prestava.
todos sim.
todos bem.
todos zen...

então, aquele, lá no seu canto, via de binóculo a vida.
não entendia direito nada, mas sentia-se em movimento, e isso em si já justificava a beleza da existência.
então, aquele foi lá, com todos. naif, chegou da sua maneira, sendo quem era.
....
que clima indesejado...mas todos cederam, espontaneamente, no momento, e a revolta causada entre um e outro e algum outro ainda, e depois mais alguns, se diluiu na incrível mágica onipresente em qualquer encontro humano. (alguns não sentem, mas geralmente, há esperança que ainda se sinta, ainda que a situação pareça obviamente e fatalmente, totalmente perdida...)


então, o encontro corria tranquilo, salvo pelo gongo da magia, pura sinestesia, entre uns e outros. porque quando os bichos se encontram, ficam bobos. de alegria, de tudo, de nada, de vida. ficam pacíficos. parecem crianças. param de julgar.  esquecem de julgar - nem que por curto tempo.


este e aquele, estavam iguais...


a cidade, cheia de prédios cinzas, de todas as tonalidades, e o céu cinza escuro, nublado, subia.
a fumaça não sei se subia, ou se descia, ou se ficava.
dentro do pulmão.
a poluição ativou a poluição mental.
e o tempo foi fechando.

a cidade comia aquelas pessoas, relembrando-lhes das verdades absolutas, dos padrões únicos, tombados, velados, seculares, subliminares que seguiam, as ideias engessadas e pré estabelecidas há tanto tempo, que nem pareciam ter um dia nunca existido.



e todos se afastaram gradativamente, deixando aquele , no vento. no relento. seria lepra ou só bizarria??... seria contagioso?
conforme se afastavam, percebiam, confirmavam e afirmavam o quão... estranho, torto, diferente, sei lá, tudo de errado, tinha e era aquele ser. 
o quão inadequado, indiscreto, indesejável, certamente muito estranho, ah, isso não tenha dúvida, altamente bizaarro, era de fato. e ainda poderia ser mais. mais... fora do padrão de todos, mais isso, mais aquilo, mais sempre diferente e repugnante, naturalmente. 
mais do mesmo: mais do diferente... 

um perigo concreto, um perigo intelectual: pra que pensar e entender e perder tempo e buscar ampliar o fenômeno da aceitação daquele ser tão irritantemente, agora, adverso e incoerente?

todos se chocaram ao olhar a imagem que viam naquele, afinal. como puderam se misturar... não deviam ter feito isso... pode ser perigoso...como um vírus, uma doença – aquele não poderia nunca, jamais, se adequar ao grupo que se sentia completo, harmônico. já bem conceituado em si mesmo.


chega.

já era.
não há espaço para alardes. nem para reflexão. nem para inclusão. 

no final do dia, se passa a régua e se pensa: por que não manter os bons e velhos e firmes pré conceitos, que nos economizam tempo, debate, flexibilidade mental, reflexão e dinheiro?

pois bem. tudo como sempre havia sido.

alguns “superiores”, identificados com seu poder ainda maior de “normalidade” e certeza absoluta, verbalizavam o erro cometido, o perigo iminente de se abrir a exceção da inclusão: não. 

não há exceção. loucura, bizarria, diferença, autenticidade, merecem a morte, o fim, a aniquilação.

tipos psicobiofísicos assim, não careciam caber. não podem caber – o mundo é dos normais, dos retos, dos lineares, dos felizes, ainda que pseudo-felizes.


não reconheceriam, então, este tipo de gente. e gente nova desestrutura estruturas antigas. 

melhor ficar tudo igual. tombado. mais simples. manutenção básica de maniqueísmos seculares – poruqe tempo sempre será dinheiro aqui no capitalismo. estranhice é coisa pra hospital psiquiátrico, ou prisão. ou qualquer lugar assim.

reclusão, morte e anonimato à tudo que destoe do que está posto.

assim ficou decidido no grupo da humanidade.

ainda hoje preza-se esta tremenda tradição da crença secular humana.

nada como um Cristo fácil.
nada como um Cristo óbvio.

psicofobias.humanofobias.

melhor tê-las do que ficar investindo em gente louca, rara, deturpada.
melhor por a máscara de normal, de regular, ter a carteirinha do clube – ainda que seja este, também, um louco de pedra no armário.

tempo é dinheiro.









6 de março de 2012

sina


Minha sina é passar tudo a limpo.
Tudo.
Vejo e revejo; regorgito; re vivo.

E fui repetindo o mesmo padrão, até que arrebentei o espelho.
E fiquei sem rumo.
Não vi mais quem eu era.
Desfragmentada, em pedaços caquéticos

Renasci, assim...

O que vale é presente, é a água corrente existente

O que vale é a poesia

Um sonho na esquina.
Um samba no coração.
Uma vivência sem par.

Minha sina é ver.

Devagar. No ritmo da água lenta, fria e profunda.

Sem dogmas, sem barreiras, nem verdades absolutas.

A liberdade, que assusta, é o sangue das minhas veias.

5 de fevereiro de 2012


eu sou bipolar
eu sou o sol
eu sou a lua
eu sou tripolar
eu sou o mar
...
eu sou o vento
eu sou a areia
eu sou quadripolar
eu sou o fogo
eu sou a luz
eu sou a água
eu sou a brisa
eu sou unipolar
eu sou deus
eu sou eu
humano
eu sou único
eu sou tudo
eu sou você
eu sou o todo
eu estou na borda
estou dentro e fora
eu não sou nada
no entanto
sou tudo
sou eu
sou o centro
do meu centro
no centro
que paira
que pira
que varia
que vareia

eu sou luz e escuridão
eu sou multipolar
 
kayky avhram e mariana waldow